quinta-feira, 24 de outubro de 2019

# enxaqueca # saúde

8 a 15% dos cidadãos dos países ocidentais sofrem de enxaqueca

No outro dia, tive que vir embora do trabalho por causa de uma daquelas crises de enxaqueca que não lembram a ninguém.
No dia seguinte, em conversa com uma amiga, percebi que as enxaquecas são mais frequentes do que aquilo que se pensa, mas ainda são vistas por muita gente como uma simples dor de cabeça, contudo, quem pensa assim não podia estar mais errado.
Não podemos falar de enxaqueca sem apresentar o termo cefaleia. Este termo médico é usado para designar desconforto ou dor de cabeça. Contudo é preciso ter em conta que a enxaqueca e a cefaleia, apesar de ligar de ligadas são entidades diferentes. Basicamente a enxaqueca é uma dos muitos tipos de cefaleias que existem.
É estimado que 8 a 15% dos cidadãos dos países ocidentais sofrem de enxaqueca. Este tipo de cefaleia de um modo geral inicia-se entre os 15 e os 40 anos, mas pode surgir também na infância.
Muitas das características das enxaquecas estão associadas ao ciclo reprodutivo feminino, sendo que o maior destaque vai para o período menstrual, tendo a possibilidade de agravamento pelo uso de pílula anticoncecional de de terapêutica hormonal, e tende a atenuar ou desaparecer durante a gravidez ou na menopausa.
Antes da adolescência, a enxaqueca afeta rapazes e raparigas por igual. A partir da adolescência, a enxaqueca é 2 a 3 vezes mais frequente no sexo feminino.

Quais são os fatores que dão origem a uma enxaqueca?
As pessoas com enxaqueca são mais sensíveis a certos estímulos, ambientais ou do seu próprio organismo, que podem desencadear esses processos cerebrais. Por isso, os especialistas acreditam que existe uma ligação genética.
A enxaqueca não resulta de um problema específico por isso nem sempre é fácil associar uma enxaqueca a um determinado comportamento, mas em alguns caso, algumas pessoas conseguem prever a crise.

Como é que as enxaquecas se manifestam?
Habitualmente as enxaquecas são manifestadas em períodos de tempo livres. Existem pessoas que habitualmente tem as suas crises de enxaquecas ao fim de semana, e isso pode ser derivado a alterações de sono, falha no pequeno-almoço, redução de stress ou abuso de bebidas alcoólicas.
Uma vez que falamos de sintomas muito intenso é usual que as enxaquecas impeçam as pessoas de trabalhar ou estudar durante as crises.
A dor tende a ser pulsátil, agravando-se com o esforço físico ou com movimentos da cabeça. De um modo geral, afeta apenas um dos lados da cabeça, e acompanha-se de náuseas, vómitos, intolerância à luz, ao ruído e a alguns cheiros.
E apesar de não ser obrigatório ter todos estes sintomas é usual é que independentemente dos sintomas, a pessoa afetada por uma enxaqueca procure um local escuro e sossegado para dormir e repousar até que a crise passe.

As enxaquecas não têm cura, mas podem ser controladas, existindo medicação e comportamentos que ajudam a reduzir a frequência das crises.

Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Twitter |

15 comentários:

  1. Eu sofro, e é assim como dizes só de um lado da cabeça!!
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
  2. Muitas pessoas, infelizmente, desvalorizam, mas as enxaquecas são um assunto sério. Tinha um amigo que sofria imenso com elas, ao ponto de ter que faltar às aulas :/

    ResponderEliminar
  3. As minhas dores de cabeça estão relacionadas com a minha SOP... mas controlo-as bem, o que tem de ser tem muita força ❤️

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, mas dores de cabeça não é a mesma coisa que enxaqueca!

      Eliminar
  4. É muito raro eu ter uma dor de cabeça. Já a minha irmã tem dores horrendas desde o 12ºº ano. Alguém conhece uma "droga" chamada Zomig? Isso é a única coisa que parece dar algum resultado com ela. É lamentável que as pessoas ainda não entendam a diferença entre um estado que incapacita para o trabalho e uma cefaleia.

    ResponderEliminar
  5. Bom post com interessante texo
    Bjs
    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Segredos e Maridos.

    ResponderEliminar
  6. Felizmente não sou uma dessas pessoas.

    ResponderEliminar

Instragam