Translate

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

# jornalismo # liberdade de expressão

Jornalismo | Será que existe mesmo liberdade de expressão?

Em pleno século XXI é usual uma pessoa deparar-se (ainda), com a questão: Onde está a liberdade de expressão? 
E acreditem em mim, esta questão ainda surge com muita frequência... Esta semana, a minha teoria sobre a falta de critérios do jornalismo e sobre a falta de liberdade de expressão, foi novamente colocada à prova, confrontada, refutada e perdida.


Para quem não sabe, sou escritora, tirei o curso de jornalismo mas tenho vindo a recusar seguir esta profissão, por ver que muitos dos critérios da mesma, estão corrompidos. Talvez por isso tenha optado por escrever apenas crónicas e textos de opinião.
Escrevia semanalmente para um jornal online. Como qualquer cronista, sempre fiz questão de ser frontal e sempre falei daquilo que eu achava que devia ser falado. Segundo a direção do jornal, os meus critérios são pessoais e frontais de mais, e isso interfere com os critérios do próprio jornal...
Como assim? Não é isso que quer dizer liberdade de expressão? Não é isso que um cronista faz?

Se me permitem dizer, com peso e medida a minha opinião, não me chamem cronista. Nem sequer me chamem jornalista. Chamem-me prostituta do jornalismo, porque o que importa nos dias que correm não é a exposição dos factos verdadeiros, a verdade nua e crua, é um mito e o que importa para os editores e diretores é o impacto, o sensacionalismo e as visualizações.

O jornalismo verdadeiro está nos factos e na coragem de dizer o que realmente está mal.
Felizmente tive professores que me ensinaram não só a fazer jornalismo, mas a sentir o jornalismo. Foram pessoas que durante o 25 de abril lutaram e colocaram a vida em risco para que hoje exista uma liberdade de expressão que não está a ser aproveitada.

Acompanhem as novidades no Twitter.  

75 comentários:

  1. Achei fantástico o que disseste. Tudo o que aqui está é verdade. E concordo com o que disseste: uma coisa são jornalistas, outra são prostitutas do jornalismo. Não diria melhor.

    ResponderEliminar
  2. Perfeita tua indignação! Justa e coerente e sabes bem o esforço pra se formar ... Comigo aconteceu igual. Sou advogada, me formei com um enorme sacrifício , pois tinha os 4 filhos todos pequenos.. Assim que me formei, vi que a JUSTIÇA pra quem quer ser sério, não existe. Fiquei uns anos, comprovei que EU estava certa no meu pensar e ABANDONEI!!!

    Por isso te entendo muiiiiiiiiiiiiiiiiiiito bem! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  3. acho muito bem! 100% apoiadaaaaaa!!!!

    ResponderEliminar
  4. Adorei este texto Isy e ganhei-te ainda mais respeito!!
    Sinto que o jornalismo (dou pouco que leio) anda cada vez pior!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo, eu já me recuso a dar muita atenção ao jornais e afins...
      Obrigada!

      Eliminar
  5. Isy, concordo com tudo o que você disse, jornalista de verdade não se vende...fala-se muito de liberdade de expressão, mas não é o que vejo na realidade. Parabéns!

    http://www.gotinhasdeesperanca.com

    ResponderEliminar
  6. Já ouvi esse discurso pela voz de alguém muito próximo de mim... Espero que continues assim. Força.

    L*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentarei... Se houve coisa a que sempre fui fiel foi aos meus príncipios, espero não mudar!

      Eliminar
  7. É assim mesmo, apoiada :)

    ResponderEliminar
  8. Sabes Isy, sendo eu uma Maria que vai com as outras podia dizer-te que se querem crónicas à medida e feitas por encomenda talvez as fizesse. Já sei que vais dizer que isto é prostituição e coisa e tal. Viver não custa, custa é saber viver. O facto de dizermos amen não significa necessariamente adulteração das nossas ideias, significa um trabalho feito por nós com um projecto feito por outrem. Vejamos, és arquiteta e desenhas uma casa, eu sou engenheiro civil e não concordo com determinados aspetos que me são apresentados, tu não aceitas a minha opinião, resta-me a mim assegurar que é estruturalmente calculada e de forma segura a obra é executada de acordo com o teu modelo. Sei que o jornalismo é feito de ideias e descrição de factos, mas também sei que as nossas ideias se misturam com ideais e que a observação e racionalização de factos é muitas vezes perturbada pela nossa percepção e pelo entendimento que os outros têm na revelação de um determinado acontecimento. Vais novamente dizer que factos são factos, pois são, tal como ovos são ovos e nem todos dão origens a novos seres. Já me alonguei neste comentário.Muitos dos teus seguidores vão concordar contigo e discordar da minha opinião, não me importo com isso, no meu dia a dia já disse muitas vezes não quando as evidências apontavam para o sim e disse muitas vezes sim quando todos me diziam não, acredita que perdi algumas vezes mas ganhei muitas mais...o mastigar e deitar fora é uma tecnica que pode ser utilizada pelo que compra como pelo que é comprado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não discordo contigo na totalidade, mas atenção, estamos a falar de informação pública, de algo cuja a esculação pode ainda magoar mais do que a verdade... Contudo é de sublinhar que apesar de ser preciso ser flexivel (e acredita que o sou), outras vezes sou intolerante e este foi um dos casos, porque primeiro como te disse defendo que o jornalismo deve ser baseado em factos reais, segundo, não podem nem devem existir de um trabalho voluntário, bem feito, que só porque não lava roupa suja não é considerado interessante.

      Eliminar
  9. Defendes os teus princípios e mantens-te fiel aos mesmos. É de valor. Gostei de ler :)
    http://coeurdartichautbyannabelle.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. É muito bonito dizer que vivemos num país onde existe liberdade de expressão mas, na realidade, não passam de meras palavras. Sinceramente, acho que a informação que nos passam é cada vez mais adulterada conforme os interesses, tal como disseste, monetários, partidários, entre muitos muitos outros. Por isso e não se tratanto de ter razão ou não, neste caso, está mesmo do teu lado. Acho que se mais pessoas pensassem como tu, o jornalismo se tinha tornado no que é hoje. Mas isto é só a minha opinião e vale o que vale.

    R: Então eramos duas... Agora vou tentar cuidar me mais só falta saber por quanto tempo :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com o que disseste, infelismente também é o dinheiro que nos põe comida na mesa, e muita gente, por vários motivos, prefere dizer que tem o etatuto, o emprego e o dinheiro....

      Eliminar
  11. Há uma linha onde a necessidade força a venda da alma até ao diabo.

    Vivemos tempos conturbados.

    Aprecio a verticalidade, mas sem o básico, como viver?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a arazão, por isso, estou a trabalhar num call center... Mas posso dizer que pelo menos até à data de hoje não me vendi!

      Eliminar
  12. Compreendo-te perfeitamente, e sem dúvida que faria o mesmo na tua situação.

    ResponderEliminar
  13. Ah MULHER!!!
    É assim mesmo!
    Adorei saber que por aí a "garra" é muita!!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Garra numa só pessoa não serve para mudar nada! Eu é que fico de fora, apenas isso!

      Eliminar
  14. Já tinha essa ideia, mas ao ler este post fiquei com a certeza.
    Não há dúvida que existem vários registos de jornalismo, desde o sensacionalista, ao opinioso, ao vendido e, ao mais difícil de todos, o correto e imparcial. É um mundo de fantasia, muitas vezes corrupto, nada fácil de gerir no dia-a-dia. Entendo perfeitamente a tua revolta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que algumas pessoas conseguem ver além daquilo que é transmitido!

      Eliminar
  15. Isy.... fiquei surpreso ao notar a intensidade da força de teu texto. Tua indignação é justa. É notável.
    Que você continue assim...
    Mas você pode colocar esse texto na tua crônica, pois o jornal deveria saber e respeitar tua autonomia se quiserem continuar contigo!
    Obrigado pela visita !

    ResponderEliminar
  16. E quem fala assim não é gago, muito bem!!



    Sónia
    www.tarasemanias.pt

    ResponderEliminar
  17. Somos (o 'aflores' e a 'Isy'), de gerações diferentes, que viveram também de forma diferente, a questão da 'Liberdade de expressão'.
    A liberdade seja de expressão, opinião ou simplesmente...liberdade(!) ainda hoje é, como dizem os mais antigos, assunto que «dá pano para mangas» :) .

    Gostei do texto. O meu apluso.

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  18. Apoio a tua decisão e tens toda a razão :)
    bjs

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  19. Acho que tens toda a razão, infelizmente há pessoas que não percebem isso...

    Marisa Silva
    Styling Dreams
    http://stylingdreams.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  20. Sempre achei o Jornalismo interessante, mas acho que hoje em dia os valores estão completamente alterados e a preocupação não é expor os factos, mas vender sem pensar nas consequências que isso pode ter.

    r: Tinha mesmo! E tinha um pouco de tudo. Tinha lá uma banca com personagens feitas de amendoins, adorei :p

    ResponderEliminar
  21. É triste, mas a concorrência é muita e nem todos estão em condições de tomar uma atitude destas. Infelizmente há prostituição em todo o lado... :/

    ResponderEliminar
  22. Infelizmente é verdade. Tal como tu também tirei o curso de jornalismo, iludida, mas acabei por seguir outras áreas.

    ResponderEliminar
  23. É complicado mesmo, também sou jornalista, além do blog escrevo para um jornal da minha cidade e para uma revista, é complicado...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  24. R: Oh, que fofinha *.* Eu tenho um blog normal como todos :)

    ResponderEliminar
  25. Obrigada linda :p
    Estou a adorar tudo isto , se soubesse que a universidade era isto tinha vindo mais cedo xD

    ResponderEliminar
  26. Acredito que seja complicado, mas continua agarrada aos teus valores!

    Beijinho, Kelly
    Blogue Scream of Beauty
    FanPage do Facebook

    ResponderEliminar
  27. Agora só para o ano, ou então na passagem de ano ((; ahahhah

    ResponderEliminar
  28. é preciso mt estomago para aguentar certas coisas. estas numa sociedade do come e cala-te ou come e rumina :S

    ResponderEliminar
  29. Parabéns, querida!!!
    A verdade de ser tida acima de tudo, e devemos defender nosso ponto vista, com " unhas e dentes" se for necessário.
    Demonstra que é uma mulher de fibra, sem medo de pressões e rotúlos que geralmente tentam impor ao sexo feminino, muma mal disfarçada guerra sexista.
    Bom domingo!!!
    Beijokas
    Rê!!!!

    ResponderEliminar
  30. Sem dúvida! Tenho uma amiga que é jornalista e, entre outras coisas, também se queixa disso!

    ResponderEliminar
  31. "Não me vendo, sou jornalista quado tenho que ser, se não me deixam ser jornalista como deve ser e como é suposto ser, não contem comigo" acho muito bem!

    ResponderEliminar
  32. Todo o meu apoio! Há que marcar a diferença. Mas hoje em dia o que mais se vê é mais do mesmo, dos mesmos vendidos de sempre. Parece que quem não se vende 'não é filho de boa gente'...
    Força nessa luta! Beijinhos

    ResponderEliminar
  33. Sem dúvida! Só mostras que és honesta!
    Força

    ResponderEliminar
  34. Você está coberta de razão, Isy! Esses limites que nos são impostos pesaram muito em minha decisão de deixar o jornalismo. Boa semana!

    ResponderEliminar

Instragam

Follow Us @soratemplates