Translate

terça-feira, 4 de janeiro de 2022

# menstruação # pobreza menstrual

O que é a pobreza menstrual?

Se falar de menstruação é muitas vezes tabu, imagina falar sobre o conceito de "pobreza menstrual". E não, este termo não se aplica unicamente à aquisição de produtos de higiene feminina, mas também a várias outras coisas sobre as quais vamos falar hoje.

Quando falamos de pobreza menstrual, é preciso ter em conta que este é um problema que afeta milhões de mulheres por todo o mundo, contudo, este problema continua a passar despercebido até mesmo nos países mais desenvolvidos, e Portugal não é exceção, atualmente cerca de 16% das mulheres portuguesas, concordou enquadrar-se numa situação de pobreza menstrual motivo pelo qual o governo estuda a possibilidade de oferecer o copo menstrual e produtos de higiene íntima nos postos de saúde.

É igualmente importante referir que a pobreza menstrual afeta a autoestima e o quotidiano de milhões de raparigas e mulheres por todo o mundo. Afinal de contas existem várias perguntas que precisam de resposta para que este problema seja combatido:
Como é que uma mulher sem dinheiro tem acesso a tampões, pensos ou coletores?
Como é que menstrua uma mulher sem acesso a casa de banho? E uma pessoa sem água?
Se estás numa situação de exclusão social, vais falar das tuas dores menstruais?
Estas perguntas continuam sem resposta para muitas mulheres, e para ajudar a perceber todo o contexto destas questões vamos fazer algumas contas. Por exemplo numa vida fértil, que dure 37 anos, desde a primeira à última menstruação, a mulher terá em média cerca de 450 menstruações. Para as combater usará uma média de 20 absorventes por ciclo, ou seja nove mil absorventes durante toda a vida fértil. Agora pensa, se cada absorvente custar 10 cêntimos, a mulher vai gastar em toda a sua vida cerca de 900€. E aqui estamos só a falar de absorventes, contudo várias mulheres necessitam também de analgésicos para combater as dores, o que vai aumentar significativamente o valor das despesas que uma mulher tem com a menstruação. Ou seja quem menstrua tem um gasto necessário a mais que as restantes pessoas.

O combate à pobreza menstrual deve começar nas escolas, até porque é o contacto com as primeiras experiências de menstruação que vão ajudar a auto-estima das raparigas perante o assunto. Contudo as escolas não estão de todo preparadas para lidar com esta situação, por exemplo, as casas de banho escolares muitas vezes os autoclismos não funcionam, as portas não fecham, não há luz, não há sabão, e muitas vezes, as crianças têm de pedir papel às funcionárias. Além disso, não existem pontos de água dentro dos cubículos, quem usa copo menstrual não tem onde lavá-lo senão na área comum, o que claro iria deixar a rapariga ou mulher numa situação constrangedora.

As conclusões são óbvias e gritantes, a higiene intima feminina não é vistas como um bem essencial na maioria dos países, mas sim como algo secundário e opcional e que como tal, não requer medidas de proteção e apoio governamental.

E tu, já conhecias este termo? O que achas que pode ser feito para combater esta situação?

 

Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Youtube | Pinterest

29 comentários:

  1. Bom e elucidativo artigo
    mas que resolver
    o governo esperará por luz verde
    da UE, como é costume até esquecer, etc etc and so on. Enfim

    Bela tarde com alegria Teres, beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde. Parabéns pelo seu trabalho excelente.

    ResponderEliminar
  3. Excelente post, muito informativo. Ja fiz um no meu blog sobre o mesmo assunto no Brasil quando o Bolsonaro decidiu nao comparticipar os pensos higienicos para as mulheres, muito triste :( Infelizmente, em pleno seculo XXI esta luta aprece nao ter fim :( Felizmente ja me livrei do periodo mas nos ultimos tempos usei toalhas para poupar nos penso, porque tinha periodos muito intenso :( Nao quero imaginar o que as mulheres dos paises pobres como a India passam :(

    ResponderEliminar
  4. Olá,
    Parabéns pelo post! Precisamos mesmo falar sobre isso, fazer as pessoas conhecerem o problema e entender sua proporção. Só assim conseguiremos mudanças significativas.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderEliminar
  5. Que sim, é mesmo uma excelente partilha, gostei muito de ler o teu artigo
    Beijinhos
    Novo post
    Tem Post Novos Diariamente

    ResponderEliminar
  6. Pobreza menstrual? Ups ... já sei. É aparecer e a mulher não ter consigo um pensinho higiénico por... não ter dinheiro para o/s comprar...(Brincando )
    .
    Votos de um Feliz Ano de 2022
    Cumprimentos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    É um assunto que deve ser abordado com mais frequência nas escolas e em outras localidades. belo post.
    beijos.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderEliminar
  8. Thank you for sharing, this is something I imagine needs to be talke about a lot more. There is so much more that could be done.

    ResponderEliminar
  9. Muy buena información. Te mando un beso

    ResponderEliminar
  10. Very nice post! Happy New Year 2022. Have an amazing year ahead!
    Rampdiary | Fineartandyou | Beautyandfashionfreaks 

    ResponderEliminar
  11. Eu amei o post. A pobreza menstrual é um problema social gritante, mas o poder público faz bem pouco caso. Talvez seja por atingir somente população feminina, uma vez que o governo tende a tomar medidas rápidas quando afetam os homens.
    É sempre bom nas escolas, ter esse acolhimento com as alunas.
    beijos
    https://www.dearlytay.com.br/

    ResponderEliminar
  12. Olá!
    Foi uma boa reflexão, nunca tinha muito pensado nisso especialmente sobre a pobreza, mas realmente é um assunto importante tanto nas escolas como fora delas. Infelizmente até postos de trabalho existem sem condições, como sem caixotes de lixo nas casas de banho... Defendo que nas casas de banho públicas de escolas e universidades tenham máquinas de venda automática de pensos higiénicos que, a meu ver, podem ser mais utilizadas e úteis do que as de preservativos... Mesmo assim ainda há muito a fazer e a refletir sobre este tema, especialmente para quem está na pobreza extrema. Parabéns pelo post!
    Beijos
    https://escritosdemartasousa.blogspot.com/

    ResponderEliminar

Instragam