sábado, 8 de junho de 2019

# Capítulo # tinha tudo para correr mal

Tinha tudo para correr mal (39º Capítulo)

Chegamos finalmente ao ultimo capítulo com o Rodrigo como narrador, espero que tenham gostado e que estejam recetivos a receber o ponto de vista da Carlota.
Entretanto estive a pensar e mesmo durante as minhas férias vão continuar a sair novos capítulos do TTPCM aos sábados, por isso caso pretendam podem continuar a acompanhar a história.
 "Já passou uma semana e ainda tenho a cabeça a andar à roda. Sinto-me um estranho dentro do meu corpo, e apesar de o meu médico de família me ter dito que era normal eu me sentir assim, e me ter explicado como as coisas vão ser daqui para a frente, continuo sem saber quem sou.
Estou muito mais calmo, mas ainda estou assustado. Isto é uma doença que não tem cura e que é fatal para muita gente. O médico explicou-me que tenho que fazer um tratamento antirretroviral, mas são comprimidos que tenho que tomar religiosamente todos os dias para o resto da minha vida, e eu não sei se serei capaz de não me esquecer ou não facilitar e deixar rolar um dia, dois dias três dias...
Estou outra vez parado à porta da Joana, espero que ela me abra a porta, devo-lhe um enorme pedido de desculpas, quando soube que tinha o HIV parti logo do principio que tinha sido ela a transmitir-me a doença, é fácil culpar os outros principalmente sabendo que antes de termos uma relação, ela tinha sido acompanhante de luxo. Mas era eu quem tinha os comportamentos de risco, não era? Fui eu que tive relações sexuais desprotegidas com desconhecidas só porque não conseguia aguentar o desejo. A culpa é minha.
Finalmente a porta abre-se, estive meia hora à espera, sentado à porta dela como um animal abandonado.
- O que é que fazes aqui? - Pergunta ela.
O meu primeiro instinto é olhar para a barriga dela, mas sei que numa semana não se ia notar diferença.
- Posso entrar?
Ela fica reticente, esteve desaparecida a semana toda, e está com um ar abatido, nem parece a minha Joana. Ela acaba por se afastar da porta e faz-me sinal para entrar.
- Espero que não tenhas vindo para me insultar!
- Venho para pedir desculpas! - Digo, queria dizer alguma coisa bonita e inteligente como fazem nos filmes mas só consigo ser sincero. - Devo-te um enorme pedido de desculpas!
- Se era isso podes sair... - Diz ela aproximando-se novamente da porta.
- Joana, tem calma por favor... Vamos conversar...
- Não quero falar contigo. - Ataca ela. - Não tenho nada para te dizer depois das coisas que me disseste a semana passada.
- Tenho muita coisa para te dizer. És tudo para mim, mesmo que não saibas, és o centro do meu mundo. Não devia ter dito o que te disse, fui um idiota, um parvo e passei a semana a lamentar-me a pensar no que haveria de dizer. Tinha um discurso preparado, mas isto não é um filme...
Ela está a olhar para mim, e por incrível que pareça parece que é a primeira vez que me está a ver, a sua expressão está vazia.
- Desculpa ter dito que a culpa desta maldita doença era tua, porque não é, a culpa é minha e da minha estupidez!
- Desculpas não se pedem... Evitam-se. Agora sai!
- Joana, temos que falar, tipo vamos ser pais, temos que pensar no nosso futuro, e eu quero esse futuro, quero a minha vida contigo, quero o nosso filho... Quero ter uma vida normal!
Estou louco, eu amo esta mulher e estraguei tudo!

Eu quero-a na minha vida para sempre, por isso nem penso duas vezes quando me ajoelho no chão em frente a ela.
- Joana, és o amor da minha vida, aliás foste a única mulher que amei em toda a minha vida, e eu quero casar contigo. Aceitas casar comigo?
Vejo o choque nos olhos dela, depois vejo os olhos ficarem cheios de água, e depois lágrimas começam a cair-lhe pelo rosto branco.
- Por favor Joana, responde-me...
- Não. 
Nunca pensei que quando as pessoas usam a expressão "partir o coração" fosse tão literal, sinto cada pedaço do meu coração a desfazer-se.
Ela continua a chorar.
- Eu não te consigo perdoar pelo que me disseste. À primeira dificuldade atiraste-me à cara aquilo que eu fui e aquilo que eu fazia para me sustentar... A tua primeira reação foi culpar-me, e no amor as coisas não devem ser assim, eu pensava que tu melhor que ninguém nunca fosses fazer semelhante coisa!
- Por favor, perdoa-me, fiquei assustado...
- Quanto ao nosso filho... - Ela começa novamente a chorar, quero-a abraçar e proteger, mas sei que ela nunca vai aceitar que eu o faça. - Esta semana tive um aborto espontâneo. Perdi o bebé.
E quando eu pensava que o meu coração estava partido, eis que os pedaços se transformam em pó, sinto-me a ficar vazio...
- Lamento imenso... Como estás?
- Como é que achas que eu estou depois do meu namorado me ter acusado de o ter contagiado com HIV? Me ter chamado de puta? E de ter perdido um bebé?
- Vai correr tudo bem, eu estou aqui e vamos fazer as coisas como devem ser...
- Eu vou fazer as coisas como devem ser e tu vais fazer como devem ser. Não existe um nós.
Agora quem quer chorar sou eu, mas sinto que tenho que ser forte por ela, fui eu o causador da sua tristeza.
- Vou-me embora. Não é definitivo, mas vou ajudar num projeto de investigação em Barcelona... Preciso de sair daqui, de me afastar de ti, mas não quero que o resto do grupo sofra com isso, por isso prefiro estar fora uns tempos e regressar quando conseguir lidar com isto.
- Quanto tempo vais estar fora?
- Meio ano... Talvez um ano, depende dos progressos...
- Não te posso pedir para ficar, não tenho o direito de te pedir nada, mas espero que um dia me perdoes...
- Talvez um dia.

Estou destroçado, quero gritar, quero chorar. Ia ter uma família e correu tudo mal! Tenho que concordar coma Eduarda, existe mesmo uma ironia tramada na vida, nunca pensei que queria tanto ter uma família e a Joana ao meu lado, só quando perdi ambas é vi que o verdadeiro valor das coisas."






2ª Parte: 




Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Twitter |

18 comentários:

  1. Muito interessante estes contos!

    Bjocas 🌹🌹
    Feliz fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  2. Bastante previsível este desfecho.

    ResponderEliminar
  3. Era previsível reação da Joana, como era previsível a do Rodrigo. Uma notícia daquelas deixa qualquer sem chão, e desaustinado.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Não estava emocionalmente preparada para este capítulo :o

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que consegui causar esse efeito, fico feliz por saber!

      Eliminar
  5. Caramba, não conhecia o quadro de postagens e amei!

    semquases.com

    ResponderEliminar
  6. era isso que ia acontecer mesmo hehe boa semana

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  7. Adorei, como era previsto:))

    Peço desculpa pelo atraso mas estive uns dias de folga ;))

    Hoje:-Deambulando pela natureza, sem chão

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda - Feira.

    ResponderEliminar

Instragam