quarta-feira, 15 de maio de 2019

# primeira pessoa # queima

Existe sempre alguma coisa que corre mal na queima!

Ano após ano é sempre a mesma coisa... Existe sempre alguma coisa que corre mal na queima!
Já fui estudante e já fui à queima (poucas vezes porque nunca me identifiquei com os excessos que por lá via), mas sempre soube qual era o meu limite.
O que me causa confusão é que estes jovens que se envolvem em comportamentos menos dignos sejam os futuros médicos, advogados, enfermeiros, engenheiros, jornalistas, professores do nosso país.
Vejamos bem as coisas, se daqui por uns anos eu tiver um ataque de coração e tiver que ir ao médico, provavelmente vai ser um daqueles doutores que me disse há quase 10 anos atrás que me pagava um shot se eu fosse e passo a citar "ali atrás com ele".
Se daqui por uns anos eu tiver um filho ou uma filha, existe a possibilidade de a professora dela ser aquela fulana que estava a ter relações sexuais com um desconhecido atrás da barraca da sua própria faculdade.
Talvez ainda este ano, eu vá ao posto de saúde tomar uma vacina e seja atendida por aquele enfermeiro que agarrou a minha amiga e a tentou beijar à força só porque estava bêbado.
Talvez amanhã, compre uma casa desenhada pela aquela estudante de arquitetura que me disse que eu era "uma cortes" por não querer fumar umas coisas".
Talvez ainda hoje veja no noticiário, aquele estudante de jornalista que vomitou em cima do meu amigo de tão bêbado que estava...
Talvez um dia isto aconteça, e se acontecer, como poderei acreditar na credibilidade de pessoas que enquanto estudantes pensavam de forma tão desprovida de caráter e dignidade própria?

Sei que existem pessoas com mente curta e mentalidades limitadas, também sei que os azares acontecem, mas só estica a corda quem sabe onde vai, se eles pedem sexo fácil a troco de um shot, foi porque um dia alguém lhes deu sexo por um shot... O raciocínio aplica-se a tudo. Ninguém, cobra mais do que aquilo que o mercado está disposto a pagar.
Não mudem a queima das fitas, é uma tradição bonita e com significado, Mudem as mentalidades dos jovens para que eles aprendam a ter limites, respeito pelos outros e amor-próprio.

Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Twitter |

36 comentários:

  1. Ótima postagem, gostei.
    Beijos

    www.byglamour.com

    ResponderEliminar
  2. Brilhante publicação. Concordo na íntegra com o texto
    .
    Felicidades

    ResponderEliminar
  3. Não consigo perceber porque é que as pessoas (e não só jovens) para se divertirem têm que estar bêbedas.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Não se mudam mentalidades com facilidade porque as mentalidades formam-de desde a infância por pais e mães que cometeram todos os excessos e mais um. Cada um só ensina o que sabe, e cada um aprende o que lhe ensinaram.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. António Coimbra de Matos afirmou: "Existo, porque fui amado". Suspeito que hoje, para os pais, os filhos são um tropeço, um estorvo, um empecilho, logo a relação que se estabelece entre ambas as gerações encontra-se ferida de "morte"; e isto configura a síndroma da rejeição mais deplorável e de consequências imprevisíveis. Estão aqui, no seu belo texto, alguns aspectos (im)previsíveis daquilo que podem vir a ser alguns desvios (futuros) de carácter, eventualmente, reeditado.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  6. António Coimbra de Matos afirmou: "Existo, porque fui amado". Suspeito que hoje, para os pais, os filhos são um tropeço, um estorvo, um empecilho, logo a relação que se estabelece entre ambas as gerações encontra-se ferida de "morte"; e isto configura a síndroma da rejeição mais deplorável e de consequências imprevisíveis. Estão aqui, no seu belo texto, alguns aspectos (im)previsíveis daquilo que podem vir a ser alguns desvios (futuros) de carácter, eventualmente, reeditado.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  7. Despropósitos do presente e, não são poucos. Poderão, no futuro, ter efeitos negativos?

    Boa noite e bons sonhos!

    ResponderEliminar
  8. Concordo a 200% com tudo o que disseste!
    beijinhos

    www.amarcadamarta.pt

    ResponderEliminar
  9. Diste tudo, concordo bastante contigo, nem sei o que diga, pois confesso que nunca frequentei uma festa dessas
    Beijinhos
    Novo post
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  10. A isso se chama incoerência....
    Os de hoje esquecem-se que serão os de amanhã!!!!!!

    ResponderEliminar
  11. Respostas
    1. Ah ah ah a Becas está óptima, nunca vens cá quando falo dela hehehehe

      Eliminar
  12. Não consigo entender o excesso de álcool nestas "festas" estudantis.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digo para beberem água ou sumo, mas o excesso é demais para mim!

      Eliminar
  13. Não consigo ser tão "radical" nessa forma de pensar. Concordo que as queimas das fitas a cada ano que passa se tornam cada vez mais um ponto de excessos para a juventude. O álcool, e as outras substâncias sempre estiveram lá. A questão é que a maioria desses jovens vivem aquilo como se o mundo fosse acabar amanha. Aquela loucura e euforia que nos caracteriza (não a todos) quando somos jovens ultrapassa muitos dos limites do que é aceitável e depois assistimos a notícias como este ano. Lamentáveis! Mas não considero que estes jovens que agora cometem as loucuras serão pessoas menos credíveis no futuro, no seu mundo profissional ou pessoal. Com certeza deve conhecer imensos adultos que não fizeram nem metade do que estes jovens fazem, e hoje são os engenheiros que bebem umas cervejas durante o horário laboral e continuam a conduzir porque "estão bem". Ou aqueles médicos que por acharem que a sua profissão é superior a qualquer outra podem usufruir do seu "estatuto" para benefícios pessoais. Ou seja, não dá para generalizar seja em que situação for. Exagerei quando era mais nova. Quis viver a minha juventude em pleno sem deixar escapar nada, hoje com 28 anos, sou uma profissional competente, empenhada e tento ser o máximo responsável. Não somos todos iguais!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente existem pessoas que sabem os limites e se tornam bons profissionais, mas tens que concordar comigo que é difícil colocar a a nossa vida nas mão de um médico que sabemos que que apesar de saber os riscos fez coisas destas... Este é apenas um exemplo, mas acho que percebeste o quero dizer.
      Claro que tal como referes existem pessoas que se tornam bons adultos, mas desfio da maioria!

      Eliminar
  14. Sim, tens toda a razão, e mudar as mentalidades desde que entram para a escola, com 5 ou 6 anos, mudar a educação, mudar as regras e estabelecer limites. Muita coisa tem realmente de mudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que as gerações que vieram depois da "nossa" está ainda mais descontrolada!

      Eliminar
  15. Nem é bom pensar, pois não?... Gente commuira falta de atenção em casa e depois da nisto... :;
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Sinceramente acho que é mais do que isso, acho que as pessoas, principalmente os jovens sentem uma necessidade exagerada de se promover perante os demais, uns fazem as coisas bem feitas outros vão pelo caminho fácil.

    ResponderEliminar
  17. Gostei imenso do teu texto!
    Estes excessos, acabam por desvirtuar o espírito da festa!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

Instragam