sábado, 15 de dezembro de 2018

Tinha tudo para correr mal (15º Capítulo)

Tenho ficado com a sensação, que algumas pessoas estão a perder o interesse na história, principalmente porque quem comenta diz muitas vezes que são muitas coincidências que acontecem. Para já vou tentar acabar com essas coincidências todas e depois logo vejo dependendo do vosso feedback se vale ou não a pena continuar com a história, porque a última coisa que eu quero são leitores aborrecidos.


 "-Gostava de saber quem é o meu amigo secreto. - Digo sentando-me na mesa do café e acendendo o meu cigarro.
- Eu não sou. - Responde a Joana. - Vou ter que dar a prenda ao Ivo.
- Eu vou ter que dar à Carlota, mas só leva uma caixa de chocolates, ela já teve uma grande prenda à minha custa. - Afirmo dando uma gargalhada sonora.
- Espero que não andes a levar a minha irmã mais nova por maus caminhos. - Reclama o Artur.
- Oh que maus caminhos pelos quais a poderia levar? Sou boa rapariga, sou saudável, bonita, inteligente, vivo bem a minha vida, pago as minhas contas... Sou um exemplo a seguir. - Afirmo no preciso momento em que tenho um ataque de tosse.
- Esquece lá a parte do saudável! - Remata a Ana a rir. 
- Pelo menos assim, sei que nunca vou ser raptada para o tráfico de órgãos! Ninguém vai comprar peças usadas já estragadas!
- Oh Meu Deus! Onde foste buscar essa teoria? - Pergunta o Artur.
Não tenho tempo de lhe responder, e ainda bem. Ninguém ia querer saber a minha teoria. Contudo aquilo que nos tirou a fala, foi chegada do Rodrigo. Acreditem ou não ele vinha acompanhado de um verdadeiro mulherão. Grande, com uma estrutura óssea bem constituída, loira de olhos azuis, e algum botox nos lábios e muito silicone nos peitos.
- Olá pessoal, apresento-vos a Ekatherina. - Disse ele todo orgulhoso da sua conquista. - Ia agora mesmo mostrar-lhe a minha casa, quando vi que vocês estavam aqui e passei para dizer olá.
- Não havia necessidade. - Respondeu o Artur por todos nós.
- Bem, sendo assim até logo! Ou até amanhã... - Ele estava com um sorriso malandro, daqueles sorrisos masculinos, espelhados na cara de um gajo que pensa que vai ter sorte toda a noite.
- Eu diria mais até já! - Exclamou a Joana, todos a fitamos admirados, e ela sorriu, o sorriso de uma mulher que sabe que o homem não vai ter sorte. 
Deixamos que o Rodrigo se afastasse para fitarmos atentamente a Joana à espera de uma explicação.
- O que é que foi aquilo? - Pergunta a Ana.
- A sério que vocês não perceberam nada? - Perguntou a Joana surpreendida. Todos nós abanamos a cabeça. - A criatura que vinha a passear o Rodrigo, não era uma Ekatherina, ou el carnitina, ou keratina...
- Não era? - Perguntou eu admirada, nisto o Artur começou a rir.
- Ekatherino!!!! - Exclamou ele com a concordância da Joana. 
Depois de me sentir estúpida por não ter percebido, também me desatei a rir.
- Qual é a piada? - Perguntou o Ivo chagando à nossa mesa.
Entre gargalhadas fomos resumindo os acontecimentos e as descobertas.
- OH! É melhor ir avisa-lo! - Disse o primo do Rodrigo preocupado com o tipo de impacto que uma situação desta fosse ter na vida do jovem e super macho Rodrigo.
- Ivo... - Digo eu olhando para o meu relógio de pulso. - Neste preciso momento o Rodrigo, deve ter acabado a sua visita guiada pela casa. 
- E de certeza que a visita acabou no quarto. - Rematou a Joana acendendo um cigarro.
- Ou muito me engano ou ele neste momento está a beijar aqueles lábios carnudos, cheios de botox...
Todos nós fazemos uma cara feia a imaginar a cena, mas não desisti e continuei.
- Daqui por uns segundos ele vai meter a mão nas calças da Ekatherina, ou Ekatherino... Ou El carnitina, ou.... - Esta conversa assim fica muito confusa. - E vai perceber a diferença!
- Esperem! Se fizermos silêncio aposto que conseguimos ouvir o grito de terror dele! - Brinca a Joana.
- Vocês são muito más... Coitado do Rodrigo, nenhum homem merece passar por isso... - Defendia o Ivo.
- É justo, o Rodrigo acredita que tudo o que vem à rede é peixe, e que por isso pode comer.... - Disse a Ana. - Aliás ele merece uma boa lição, para aprender a ser seletivo.
- Ele está melhor... Agora só come gajas boas! - Explicou o Ivo, enquanto a Ana o fulminava com o olhar.
- Nem vou perguntar! - Disse ela chateada.
- Não fiques chateada, pelos vistos os homens de hoje em dia consideram gajas boas, os gajos que tem mais botox e silicone que uma mulher normal. - Brincou o Artur.
- Vocês estão ai com tanta coisa, mas às tantas o Rodrigo até pode gostar de brincar às tomadas e às fichas... - Afirmou a Joana. A conversa parou instantaneamente e todos a ficamos a olhar. - Não me digam que voltaram a não perceber? 
Todos abanamos a cabeça. Ela levantou-se, entro no café e saiu passados uns segundo como uma extensão elétrica na mão. Pegou numa ponta e disse:
- Ficha! - Exibiu a outra ponta - Tomada! 
Até aqui tudo bem, mas qual era a lógica da afirmação dela? Onde é que ela quer chegar?
Então, ela pega na ficha e encaixou-a na tomada. Volta a tirar e volta a meter, várias vezes até que um a um vamos todos soltando exclamações e sorrisos.
Segunda vez que me sinto estúpida hoje. 
- Vocês não vão acreditar no que acabou de me acontecer! - Disse o Rodrigo vindo disparado pela entrada do café.
- O que é que foi? - Perguntou a Ana como se estivesse genuinamente preocupada.
- Não falem alto nem façam alarido disto, mas a Ekatherina afinal era um Ekatherino. - Segredou o Ivo.
- Oh! A sério? - Perguntou eu rindo.
- Vocês já sabiam? - Perguntou o Rodrigo ainda mais surpreendido, pelos vistos o facto de nós sabermos antes de ele descobrir foi mais drástico do que a situação em si.
- Eu sabia! - Sorriu a Joana. - Apenas não disse nada porque pensei que querias brincaras às fichas e tomadas. - Ela voltou a inserir a ficha na tomada.
- Isso é muito sexy Joana! - Disse o Rodrigo aproximando-se da Joana. Todos nós nos levantamos antes que a conversa fosse por outros caminhos, mas antes de sair da mesa ainda tive tempo de ouvir a reposta que a Joana lhe deu.
- Sabes... - Começou ela com uma voz ligeiramente sensual. - Existem tomadas, existem triplas, existem as tomadas banais, e depois existem as tomadas feitas por encomenda. Tu és uma ficha banal que nunca vai entrar numa tomada feita por encomenda. - Terminou ela dando-lhe um beijo na face e vindo ao meu encontro. 
Não disse nada quando ela finalmente me alcançou. Nem sabia o que pensar. Não era novidade que o Rodrigo se babava por ela, mas este momento entre eles foi estranho."

Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Twitter |

15 comentários:

  1. Nunca imaginaria algo assim na história, mas acho que tem a sua piada sendo ele tão mulherengo.

    ResponderEliminar
  2. Que essa historia está cada vez mais interessante

    Beijinhos
    Novo post //Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  3. Deve ser uma situação bastante confrangedora!
    Estou curiosa com o que poderá acontecer entre a Joana e o Ivo, porque essa picardia não me parece inocente

    ResponderEliminar
  4. Gostei da leitura, está curiosa :))

    Do nosso amigo Gil António, com : Flor de Linho de Amor Vestida - "" Poetizando e Encantando ""

    Bjos
    Votos de um óptimo fim-de-semana

    ResponderEliminar
  5. Muito interessante este capítulo.
    Abraço e desculpa a ausência, mas como sabe é involuntária.

    ResponderEliminar
  6. Adorei!
    Como já tenho dito, adoro a forma como escreves. Leio duma ponto à outra sempre a sorrir com umas gargalhadas no meio. Tens uma criatividade incrível e cheia de humor. Não pares!
    Gostei do que a Joana lhe disse, foi merecido 😁
    Ansiosa pelo seguimento.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Confesso que nao tenho aocmpanhado esta historia mas adorei a piada da ficha e da tomada :D A serio que demoraram assim tanto tempo a perceber? :D Hahahahaha
    Bom domingo ;)
    Beijinhos*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  8. Pobre Rodrigo!
    Deve ter apanhado a desilusão da vida dele!... :-D
    Aguardando pelos próximos desenvolvimentos, onde a história nos irá levar...
    Gostei imenso deste capítulo bem divertido!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

loading...