Translate

domingo, 9 de dezembro de 2018

# #ontemesomemoria # #pequenabonecadetrapos

Guest Post: Viver e conviver com o desconhecido

 "Olá a todos, chamo-me Patrícia e sou uma jovem estudante que a custo tenta vingar no mundo da escrita. Autora do livro “Viver e Conviver com o Desconhecido” e mais recentemente do blog “Uma pequena parte de mim...”, fui desafiada pela Teresa a escrever sobre um tema à minha escolha, para ela postar no blog. Pois bem, escolhi como tema o meu primeiro livro, mas simultaneamente escolhi também as diferenças.
Vivemos numa sociedade em que tudo é motivo para se comentar, ser-se diferente é cada vez mais difícil, é cada vez mais correr o risco de ser olhado de lado, julgado, ou até mesmo de não ser aceite na sociedade...uma sociedade em que o que está na moda, é ser igual!
Este meu primeiro livro fala disso mesmo, de SER DIFERENTE. Há 25 anos, descobri ser portadora de uma doença metabólica rara, acidúria orgânica 3hidroxi 3metilglutárica. Esta é uma doença deve-se a uma deficiência na enzima 3hidroxi 3metilglutaril, que não degrada bem as proteínas, deste modo, a minha alimentação é baseada em fruta, legumes, e hidratos de carbono, uma vez que não me é permitido alimentar-me com alimentos de origem animal (carne,peixe,ovo).
Como é uma patologia extremamente rara, descobri desde cedo que era diferente, ainda que, inicialmente isso não me incomodasse, os meus amigos aceitavam-me e nunca em momento algum me colocaram de parte devido ás minhas diferenças. Já na fase da adolescência, afastava-me do grupo no momento das refeições, não queria que ninguém conhecesse as minhas diferenças, e queria evitar ao máximo ter de responder a perguntas que me deixariam constrangida.
Hoje em dia, ainda me incomoda fazer refeições fora do ambiente familiar, é horrível sentires as pessoas à tua volta olharem para a tua refeição e fazerem comentários, muitas vezes maldosos, mas eu tenho a certeza de ser igual a eles, com defeitos e qualidades, mas mais importante ainda é ter a certeza de que são as minhas diferenças que me tornam especial.
Afinal, se olharmos à nossa volta somos todos diferentes, pela cor do cabelo, pela raça, cor dos olhos, pela língua, e são essas diferenças que tornam cada um de nós especial."


Muito obrigada Patrícia pela tua colaboração, foi um prazer receber-te aqui no meu cantinho.


Acompanhem as novidades através do Facebook | Instagram | Twitter |

21 comentários:

  1. Saudação:- Mulher de coragem. Ser diferente não é crime nem é doença peçonhenta. As maiores felicidades
    .
    … Violação e Incesto …

    ResponderEliminar
  2. Fogo não conhecia essa doença, mas gostei de ler a historia
    Beijinhos
    Novo post //Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  3. Não te deves afastar, porque uma doença todos a podemos ter, se sao amigos,ficam.
    Não deve ser facil, mas desejo que consigas ter uma vida quase normal.
    Parabens pelo post :)

    ResponderEliminar
  4. Muito força, Patrícia!
    Beijinhos às duas*
    https://matildeferreira.co.uk

    ResponderEliminar
  5. Sinto que grande parte das pessoas ainda é muito pouco empática em relação às diferenças. Mas é com testemunhos como o da Patrícia que isso vai mudando.
    Obrigada pela partilha!

    ResponderEliminar
  6. Emocionante texto... Sem palavras. Adorei ler:))
    Força.

    Hoje : Banho de Amor em Serenas Águas. {Poetizando e Encantando}
    Bjos
    Óptima noite para todos.

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia essa doença, mas imagino que não deva ser fácil. Mas tem que ignorar os comentários alheios e seguir em frente.

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderEliminar
  8. mt interessante, com certeza nao deve ser facil conviver com a doença, mas é ai que esta a grande lição de vida

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  9. Não deve ser fácil Patrícia.
    O mais importante é cuidares de ti, aquilo que os outros pensam é problema deles.
    Beijinho para as duas.

    ResponderEliminar
  10. Nunca tinha ouvido falar no problema dela, mas imagino que existe muita gente maldosa e que a olha de lado, a ignorância por vezes ajuda muito nestas situações.
    Força para ela*

    ResponderEliminar
  11. Adorei o post, que me permitiu conhecer, esta patologia que desconhecia por completo!...
    Força, Patrícia! O que mais importa é a tua saúde!...
    Adorei o post, Isabel!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar
  12. Agradeço a todos pelos comentários... Se estiverem interessados em saber mais sobre a patologia, ou como vivo com ela, podem falar comigo através do meu facebook "Patrícia Pereira", podem também visitar a minha página do facebook "Viver e conviver com o desconhecido". Aguardo as vossas mensagens e visitas, até lá

    ResponderEliminar

Instragam