Translate

domingo, 14 de outubro de 2018

# #ontemesomemoria # #pequenabonecadetrapos

Guest Post: Avós

Olá
Sou a Magui do blog "Este blog tem dias". Um blog que explora essencialmente a minha veia humorística, porque não concebo a vida sem humor.
Um blog despretensioso, simples, particularmente colorido, mas que também tem dias cinzentos e amargos, porque os meus dias são tudo isso, um turbilhão de cores alegres e tristes e de sentimentos à flor da pele, sem esconder a palhaça que existe em mim e a pessoa inquieta, ansiosa, tímida, insegura que sou.
Agradeço à Teresa o convite para participar no seu Guest Post, onde decidi abordar um tema que me é muito caro.
A importância dos avós na vida dos netos, porque fui uma privilegiada nesse aspecto, assim como as minhas filhas o são.

Tenho saudades dos meus avós maternos.
Os meus pais trabalhavam, sou filha única, a minha casa durante o dia era a casa dos meus avós, onde almoçava, onde estava até à chegada dos meus pais.
Brincava-se na rua até tarde, com os amigos de sempre e com aqueles que conhecíamos no Verão, os “banhistas”, que vinham dos arredores com as famílias para apanhar banhos de sol e de mar. Quando íamos para a escola os pais não nos acompanhavam, entrávamos e saíamos em grupo.
Tenho muitas lembranças dos meus avós, lembro-me de ouvir fado e música popular com o meu avô (aprendi a gostar de Tristão da Silva, Tony de Matos, Francisco José), num grande gira discos que ele tinha, lembro-me de ir passear com a minha avó em “excursões”, lembro-me de estar com ela grandes temporadas em casa do meu tio em Lisboa e de brincar com a filha da porteira do prédio, menina da minha idade.
Lembro-me de escrever cartas ditadas pela minha avó (que era analfabeta) para os irmãos e sobrinha, emigrantes em França.
Lembro-me da comida em casa dos meus avós; do bacalhau guisado, de comer gaivota. Lembro-me da minha avó me dar dinheiro para comprar bombocas.
Lembro-me do grande brinco-de-princesa que pendia pela parede, na entrada de casa deles, lembro-me do poço no pátio, das escadas para o terraço.
Lembro-me da companhia que eles me faziam e que eu lhes fazia, principalmente a minha avó, pequenina, mas uma mulher rija. Lembro as tardes de Verão passadas com ela em casa da Sra. Aurora a ver passar os turistas.
Lembro-me do meu avô nos últimos anos de vida, beber vinho quente às refeições.
Lembro-me da minha avó quando se chateava com ele, chamar-lhe “velho da cadela”.
Apenas o meu avô não conheceu a minha filha mais nova.
Gostava (gosto) muito deles, foram uma parte muito importante da minha vida, foram uns avós presentes e amigos, sonho muitas vezes com eles e é um sonho bom.
Devia ser proibido os avós morrerem aos netos, sem estes ficarem com uma recordação, uma memória deles, com os seus rostos gravados no coração.
Sorte a minha que os tive até tarde.
Tenho saudades dos meus avós todos os dias, mas é uma saudade que não dói, é uma lembrança bonita e feliz.


Muito obrigada Magui pela tua colaboração, foi um prazer receber-te aqui no meu cantinho.

Acompanhem também as novidades no Instagram (@pequenabonecadetrapos) ou no Google+.

28 comentários:

  1. Oh deu-me a saudade da minha, pois havia coisas que ela fazia que eu adorava bastante
    que lindo
    Beijinhos
    Novo post //Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. Gostei de conhecer a Magui :) Tambem trneho muit boas recordacoes dos meus vos maternos :)
    Bjinhosss as duas*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  3. A minha filha tem muita dificuldade em lidar com essa saudade...a dos avós
    Gostei de ler... Bj

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Teresa.
    Nem imaginas o bem que me fez ler aqui as minhas palavras, depois duma noite e dia para esquecer devido à tempestade que fustigou a minha terra.
    Um beijinho muito grande.

    ResponderEliminar
  5. Emocionei-me a ler este texto, tão cheio de memórias e de amor. Porque também tenho imensas saudades dos meus avós!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. Nunca me esqueço da minha avó paterna e lembro-me de tanta coisa que ela dizia. E sabe de uma coisa? Ela morreu quando eu tinha seis anos. Da avó materna que só vi uma vez, só lembro da figura. Ela vivia longe e veio passar um Natal connosco.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  7. Eu acho que são todos eheheh :D

    Ohn :') É tão bom ler algo assim. Tão bom que as memórias fiquem para sempre. De verdade!

    NEW TIPS POST | PRIMERS: FOR A SKIN WITHOUT FILTERS.
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  8. Não conhecia o blog,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  9. Tão bonito. Eu ainda tenho quase todos os meus avós, e só espero que por cá fiquem muitos mais anos :)

    ResponderEliminar
  10. Friso uma frase da Magui; "Devia ser proibido os avós morrerem aos netos" Não podia estar mais de acordo. Os meus filhos eram pequenos quando a Avó/minha Mãe lhes faltou (aos 53 anos) de repente, do nada, derrame cerebral. E era Ela a Ama dos meus filhos e sobrinhos. onda as idades rondavam entre os 3 e os 12 anos. O mundo caiu-me em cima.

    Parabéns pela entrevista da Magui!!

    Entrelaces de intempéries e sonhos. [Poetizando e Encantando]
    Beijos e um excelente semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma perda muito complicada, principalmente quando as crianças tem boas relações e memórias!

      Eliminar
  11. Infelizmente não conheci os meus :(
    Tenho essas lembranças, mas dos meus pais.
    Também brinquei muito na rua, só não tive bombocas, naquele tempo o dinheiro era escasso
    Amei o texto.
    Parabéns Magui
    Bjxxxx Teresa

    ResponderEliminar
  12. Também tive essa sorte, Magui.
    Mimado pelos quatro avós, especialmente pelos avós maternos que viviam connosco.
    O meu avô materno, cujo retrato ampliado está no tecto do Fórum, em Coimbra, à frente do eléctrico que conduzia (o 7 do Tovim) foi o gajo mais extraordinário que conheci na vida.
    Morreu no dia 26 de Abril de 1974.
    Já sem consciência do que se estava a passar.
    Eu era O menino.
    Nasceram muito naquele ano e na vizinhança.
    Mas eu era e sempre serei O :)

    ResponderEliminar
  13. É bom recordar tempos que nos fizeram felizes, mas a saudade é um sentimento dificil de gerir.


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  14. Saudosista... Lindo :))

    Hoje, com: Sussurros da natureza em desamor
    Bjos
    Votos de uma óptima Terça - Feira

    ResponderEliminar

Instragam

Follow Us @soratemplates